quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Low-Poo? No-Poo? Co-Wash?


Desde que descobri que os champôs não são todos iguais e que a frente do rótulo nem sempre corresponde ao que está na composição, que tenho estado mais atenta à "parte de trás" do rótulo do champô do que "à parte da frente".

Ultimamente tenho lido vários artigo e fóruns on-line e deparei-me com algumas expressões que, para mim, eram completamente novas e desconhecidas: “no-poo”, “low-poo” e “co-wash”, entre outros termos.

De repente parece que o nosso champô de sempre já não é adequado para o nosso Couro e Cabelo. Para tentar perceber um pouco melhor esta tendência fiz uma pequena pesquisa para descobrir mais sobre o tema.

No-Poo

A técnica No-Poo é, tal como o nome indica se traduzirmos à letra, "No" significa "não" e "Poo" significa "champô", ou seja, a não utilização de champô para a limpeza do couro cabeludo e cabelo.
O champô como o conhecemos nos dias de hoje surgiu pela primeira vez na década de 1930, e desde essa altura que é hábito o uso regular de champô para a limpeza do couro e cabelo. Então porque apareceu esta "nova técnica"?
O champô retira a oleosidade e a sujidade do couro e cabelo, mas também tira os óleos naturais e alguns são essenciais para a saúde e beleza do cabelo. Esta limpeza, por vezes excessiva, criam um ciclo vicioso:
Assim a técnica No-Poo é lavar o cabelo apenas com água ou usando apenas alguns condicionadores (liberados para Co-Wash) para que os óleos naturalmente produzidos no couro cabeludo se equilibrem naturalmente.

Co-Wash

A técnica Co-Wash, vem da expressão Condicionador Wash, é lavar o cabelo apenas com condicionador sem petrolatos ou silicones insolúveis na sua composição. Para tal, deverá aplicar o condicionador no couro e cabelo massajando suavemente

Indicada para qualquer tipo de cabelo.


Low-Poo

O conceito é o mesmo da técnica No-Poo mas interpretado de uma forma menos radical, ou seja, utiliza champô sem sulfatos na sua composição.

Como nessas técnicas os produtos usados não possuem sulfatos, também não se deve usar produtos derivados de petróleo (petrolato, óleos minerais, vaselina, parafina líquida) ou silicones não solúveis em água, pois estes champôs mais leves podem não conseguir remover esses produtos dos fios.

Quem segue estas técnicas defende que estes derivados só formam uma capa nos fios de cabelo, sem tratá-los internamente e sem os sulfatos, estes produtos só se acumulariam no cabelo de dia para dia.



Este é realmente um tema interessante e sertamente irei voltar a ele mais tarde pois quem tem problemas no couro e cabelo este pode ser mais uma ferramenta importante na luta contra a alopécia.



Aviso: Todas as publicações no Couro e Cabelo são apenas partilhas de experiências e informações. Qualquer tratamento deve sempre ser prescrito e acompanhado por um médico.