domingo, 30 de setembro de 2018

Alopécia androgenética: Diagnóstico

Cabe a cada um de nós uma auto-análise do couro cabeludo para perceber se está com queda normal ou se a queda é excessiva.

Uma forma simples é, com ajuda de um pente, fazer um "risco ao meio" e observar a zona do risco: se notar que o cabelo está mais fino que o normal e notar que o couro cabeludo está mais visível que o normal; se seu cabelo for longo o suficiente para fazer um "rabo de cavalo", também pode notar que o cabelo que apanha está mais fino que o normal.






Se a queda de cabelo é contínua ao longo do ano e nota que o seu cabelo está a ficar ralo ou com zonas em que tem cada vez menos cabelo, deve procurar ajuda de um médico Dermatologista - Tricologista.
Ele não só avaliará a causa da queda, mas também aconselhar que tratamentos existem para estabilizar a queda de cabelo e estimular o crescimento de novo cabelo.


No entanto deverá ter em consideração alguns fatores:
  • Historial de calvície na família (pais, tios ou avós, tanto do lado materno quanto paterno);
  • Perda lenta e gradual dos cabelos, seguindo os padrões tradicionais de avanço da alopecia androgenética (escalas de Norwood-Hamilton, Ludwig e Savin);
  • Mulheres com síndrome do ovário policístico têm maior predisposição a desenvolver alopecia androgenética (a queda dos cabelos pode ser um sinal importante para descobrir a existência da síndrome);
  • Ausência de outros problemas de saúde como anemia, hipotireoidismo, deficiências nutricionais, desequilíbrios hormonais, infecções, etc.

Quanto mais informações você levar para o seu médico, melhor (inclusive fotos mostrando a diferença dos cabelos ao longo do tempo, se você tiver). Ele deve examinar o seu couro cabeludo, fazer testes e descartar a suspeita de outros tipos de alopécia.

Se suspeita que a sua queda de cabelo poderá ser alopécia androgenética não adie e procure um especialista: Dermatologista - Tricologista. Quanto mais rápido for diagnosticada a causa, maior será a probabilidade de controlar ou mesmo reverter a situação.

E vamos à luta contra a alopécia...

sábado, 22 de setembro de 2018

Guerra aberta conta a Queda de Cabelo


Nós, que lutamos todos os dias para manter o cabelo onde ele pertence, bem agarrado ao nosso couro cabeludo, conhecemos bem esta esta sensação...
Parece que temos cada vez menos cabelo, e o pouco que existe parece estar cada vez mais fraco.

Infelizmente é um problema cada vez mais comum: fios cada fez mais fino e alguns pontos sem cabelo, geralmente no topo da cabeça.

Existem várias causas para este problema, como a genética, gravidez, problemas hormonais, má alimentação, stress... (entre outra causas de levam à alopécia). Estes são algumas das causas que levam ao enfraquecimento do folículo capilar, tornando-o incapaz de produzir um fio saudável.

Por outro lado existem também os cabelos muito danificados por tratamentos químicos como colorações, descolorações, alisamentos ou mesmo uso intensivo de secador, babyliss, entre outros.


Como todos sabemos tudo o que comemos vai influenciar a saúde do nosso cabelo e a falta de nutrientes na alimentação irá danificar a parte interna do cabelo. E todos os produtos capilares que colocamos no nosso cabelo vai influenciar a saúde do nosso cabelo e o uso inadequado de produtos capilares irá danificar a parte externa do fio.



Cuidar do cabelo de dentro para fora.


Para um cabelo saudável e bonito o nosso corpo precisa, em primeiro lugar, de ÁGUA. Se não consumir a quantidade de água necessária para manter o corpo hidratado, não vale a pena gastar tempo e dinheiro porque o seu corpo não vai absorver e transportar todos os elementos (nutrimentes, vitaminas, etc) necessários.
Isso quer dizer que, também não adianta perder tempo com tratamentos, máscaras, selagens etc…se não cuidar do básico! Hidratar o seu corpo de dentro para fora.

Além da água, para um cabelo saudável e bonito o nosso corpo precisa de produzir 3 proteínas: colagénio, elastina e queratina. Com o passar dos anos o nosso corpo vai perdendo a capacidade de sintetizar estas proteínas. É um processo normal do envelhecimento natural do corpo que piora com os maus hábitos alimentares.

Nos dias de hoje, é comum as mulheres mais jovens terem baixa produção de colagénio, elastina e queratina devido aos maus hábitos alimentares e mesmo que a alimentação seja saudável e variada, os próprios alimentos são cada vez mais pobres o que, com o passar do tempo leva a que o cabelo fique cada vez mais fino, com menos brilho e com mais queda.


É aqui que entram em acção, para nos ajudar nesta luta diária contra a queda de cabelo, os suplementos alimentares.

O que deve procurar num suplemento alimentar para que possa realmente ser um aliado contra a queda de cabelo:



Atenção!
Nem sempre o a causa para a sua queda de cabelo se deve à falta de nutrientes.
Se a queda de cabelo é contínua ao longo do ano e nota que o seu cabelo está a ficar ralo ou com zonas em que tem cada vez menos cabelo, deve procurar ajuda de um médico Dermatologista - Tricologista pode estar com outra causa para a queda de cabelo: Alopécia.
Ele não só avaliará a causa da queda, mas também aconselhar que tratamentos existem para estabilizar a queda de cabelo e estimular o crescimento de novo cabelo.


quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Ciclo de vida do cabelo

É muito importante entender o ciclo de crescimento do cabelo para reconhecer e entender muitos dos problemas que você pode encontrar no seu cabelo.
Todos os dias, perdemos entre 50 e 80 cabelos que duram, em média, entre 2 e 7 anos. O cabelo nasce no folículo piloso, cresce por entre ciclos sucessivos, até cair.

O ciclo de vida do cabelo é constituído por três fases: anagénica, catagénica e telogénica.

Fase anagénica
É a fase de crescimento do cabelo. Esta fase dura em média de 3 a 5 anos (em casos extremos pode durar 1 ano ou 7 anos) e cresce cerca de 1 cm por mês (cresce ligeira mente mais no verão do que no inverno).

Fase catagénica
No final da fase anagénica, o cabelo entra na fase catágénica. Uma fase de transição curta que dura aproximadamente 2 a 3 semanas. O folículo retrais-se à superfície do couro cabeludo.

Fase telogénica
Por fim, o seu cabelo entra na fase telogénica, uma fase de repouso em que o cabelo não cresce mais, mas permanece agarrado ao folículo durante cerca de 3 meses. No final desses 3 meses o cabelo é solto e cai.
Inicia-se uma nova fase anagénica.

domingo, 16 de setembro de 2018

Champô Anti-queda???

Com a chegada do outono e já a notar alguma queda sazonal, está na altura de procurar soluções que nesta luta de manter o cabelo no sitio onde deve estar: no couro cabeludo.

Existem muitos produtos, loções ou ampolas que prometem grandes milagres contra a queda de cabelo e mesmo crescimento de novos cabelos, mas encontrar produtos que realmente funcionem é um grande desafio.

Antes de correr para o supermercado, farmácia ou loja da especialidade à procura daquele champô que te poderá ajudar a travar a queda de cabelo devemos ter em conta que os resultados não são iguais em todas as pessoas porque cada couro cabeludo e cada cabelo é único com características e necessidades únicas.

Se tem um champô que deixa o seu cabelo lindo e tem mantido o seu couro cabeludo saudável, não mude. Existem alguns investigadores que defendem que usar sempre o mesmo champô causa habituação. O champô que inicialmente parecia resultar, já não resulta.
Nesse caso, pode optar por alternar entre 2 champôs: usar champô de tratamento alternado com um champô neutro, por exemplo.


Antes de fazer qualquer tratamento para queda capilar, é necessário perceber a causa problema. Caso, contrário ”é remar contra a maré”. Algumas quedas são normais e melhoram mesmo sem tratamentos, como é o caso da queda sazonal ou a queda após parto, mas outras podem ser contínuas e crónicas e se não houver um diagnóstico correto, não conseguimos bons resultados. Lembrem-se que tratamentos parciais, resultados parciais ou ausentes.

Se a queda de cabelo é contínua ao longo do ano e nota que o seu cabelo está a ficar ralo ou com zonas em que tem cada vez menos cabelo, deve procurar ajuda de um médico Dermatologista - Tricologista pode estar com outra causa para a queda de cabelo: Alopécia.

O champô tem como função a limpeza do couro cabeludo e cabelos.
Após vários estudos os investigadores chegaram à conclusão que:
  • O tempo de contacto do champô com o couro cabeludo é tão curto que o princípio ativo do produto não tem tempo de ser absorvido pelo couro cabeludo (não consegue chegar ao bolbo capilar).
  • O princípio ativo não estão presentes em doses terapeuticas (ou seja, a concentração do produdo está muito diluida nos restantes ingredientes do champô)

Ou seja,

O champô NÃO É UM TRATAMENTO ANTI-QUEDA, mas sim um produto que tem como função a limpeza do couro cabeludo.
E como já referi devemos escolher o champô de acordo com as características do couro cabeludo: oleoso, seco, sensível, com caspa,... 
Se a queda de cabelo está relacionada com doenças específicas do couro cabeludo o uso de champô específico para essa doença é fundamental para controlar a doença, como psoríase ou outra dermatose.


Se usar um champô com a indicação "anti-queda" que seja adequado para o seu couro cabeludo, não irá fazer mal, mas não fique à espera que o champô por si só vá resolver o seu problema de queda.


Muitas vezes, optamos pelo que é mais fácil e acabamos adiando o diagnóstico correto, o que atrasa o tratamento e consequentemente, o resultado. Quanto mais precoce iniciarmos o tratamento, melhores são os resultados.

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Queda de cabelo sazonal

O verão está a chegar ao fim e a pior fase do ano para o nosso cabelo está a chegar...

Todos nós já demos conta que no Outono (particularmente em outubro e novembro) aumenta a queda de cabelo. Esta é a queda de cabelo sazonal.

Por volta dessa época do ano, muitos homens e mulheres - principalmente as mulheres - percebem que têm mais queda de cabelo que o normal durante a lavagem ou escovagem.

Após uma análise cuidadosa, investigadores suecos confirmaram que de a queda de cabelo pode ser sazonal.

Todos os dias caiem, em média, entre 50 e 100 cabelos, um resultado direto das fases de crescimento do cabelo. Um fio de cabelo tem, em média, um ciclo de vida que varia de 24 e 72 meses (2 e 6 anos) durante os quais ele irá crescer normalmente. No entanto, cerca de 10% do cabelo pode estar em uma fase de "descanso" (conhecida como telogénica), ponto em que o cabelo está pronto para cair. Esta fase dura de três a quatro meses até que caiem.

Pesquisas sugerem que nas mulheres a taxa de cabelo na fase telogénica aumenta durante o mês de verão. Esses cabelos caem cerca de 100 dias depois, no outono, por volta de meados de outubro ou novembro. A causa não é clara, mas algumas pesquisas sugerem que o stress causado pelo calor do verão pode fornecer alguma explicação.
Cientistas suecos que examinaram esse fenómeno sugerem que esses cabelos permanecem mais tempo no couro cabeludo nos meses de verão para proteger seu couro cabeludo do sol quente e da radiação ultravioleta. No outono, esse crescimento adicional não é mais necessário e, portanto, é "eliminado".

Também é comum nas mulheres que a queda aumente ligeiramente durante a primavera, no entanto esta queda não é tão perceptível como a queda no outono.

É nestas fases em que a queda aumenta que podemos ter alguns cuidados redobrados com a alimentação, mas também com os produtos que aplicamos no cabelo mas principalmente no couro cabeludo: loções ou ampolas que sejam aliados nesta luta conta a queda de cabelo.


A minha perda de cabelo é sazonal?

A queda de cabelo sentida durante os meses de outubro e novembro pode ter sido um fenómeno puramente sazonal para muitas mulheres, cujos resultados são pouco visíveis. No entanto, algumas mulheres podem sentir que a queda diária é superior aos 50 a 100 fios (considerados normais).

Embora alguns tipos de queda de cabelo sejam perfeitamente normais, como é o caso da regeneração que ocorre no ciclo capilar. Ocasionalmente, e por vários motivos, podemos perder mais cabelo do que ele consegue regenerar e nem sempre é fácil perceber que estamos com mais queda de cabelo do que cabelos novos.

Cabe a cada um de nós uma auto-análise do couro cabeludo para perceber se está com queda normal ou se a queda é excessiva. Uma forma simples é, com ajuda de um pente, fazer um "risco ao meio" e observar a zona do risco: se notar que o cabelo está mais fino que o normal e notar que o couro cabeludo está mais visível que o normal; se seu cabelo for longo o suficiente para fazer um "rabo de cavalo", também pode notar que o cabelo que apanha está mais fino que o normal, nesse caso, a queda que está a sentir poderá estar relacionada com outro tipo de alopécia.



Se a queda de cabelo é contínua ao longo do ano e nota que o seu cabelo está a ficar ralo ou com zonas em que tem cada vez menos cabelo, deve procurar ajuda de um médico Dermatologista - Tricologista pode estar com outra causa para a queda de cabelo: Alopécia.
Ele não só avaliará a causa da queda, mas também aconselhar que tratamentos existem para estabilizar a queda de cabelo e estimular o crescimento de novo cabelo.

domingo, 9 de setembro de 2018

Queda de cabelo após a gravidez

Fui mãe do meu 2ª filho à 16 meses. Eu que tenho Alopécia Androgenética, durante a gravidez passei por um período "abençoado". Mais cabelo, com mais corpo, brilhante,... mas infelizmente foi "sol de pouca dura".
Aproximadamente 3 meses depois do parto, o meu cabelo começou a cair...

A queda de cabelo é comum após a gravidez e pode ser muito angustiante. Normalmente ocorre entre 3 meses e 6 meses e pode durar mais 6 meses. O termo médico é “eflúvio telógeno pós-parto”. Pesquisas atuais culpam a diminuição de hormonas, especialmente o estrogênio, após o parto, causam a queda de cabelo. Esta queda não está relacionada com a amamentação.
Alopécia pós parto (https://bit.ly/2O2xmfE)

Por que a perda de cabelo ocorre após a gravidez?
Para entender por que a perda de cabelo ocorre após o parto, é importante entender como o cabelo cresce normalmente e as mudanças que ocorrem durante a gravidez:

Antes da gravidez
Cerca de 85-90% dos cabelos estão em fase de crescimento: ativo. Estes fios em crescimento aumentam de tamanho em 1 cm por mês.
Cerca de 10-15% dos cabelos no couro cabeludo na fase de descanso: inativo. Esses fios estão se preparando para a queda natural.
Para a maioria das mulheres, isso significa que existem cerca de 100.000 fios de cabelo no couro cabeludo e, que, diariamente entre 50 a 100 fios de cabelo caiem naturalmente.

Durante a gravidez
Devido ao aumento dos níveis de estrogénio, cada vez menos cabelos caiem do couro cabeludo a cada dia que passa. Mais cabelos se acumulam na fase de crescimento ativo.
Isso significa que o número total de cabelos no couro cabeludo na verdade aumenta durante a gravidez. A contagem de cabelos pode subir de 100.000 para 110.000 cabelos. O resultado é um cabelo mais espesso e mais denso. 

Depois do parto
Uma diminuição hormonal, especialmente estrogénio e progesterona, faz com que o equilíbrio entre o crescimento e a queda de cabelos seja novamente interrompido em um esforço para retornar aos padrões pré-gravidez.
Mais e mais fios de cabelo passam da fase de crescimento para a fase de queda. O resultado é o aumento da queda de cabelo - geralmente em todo o couro cabeludo.
Este fenómeno ocorre tipicamente em torno de 3-4 meses após o parto.
O crescimento total do cabelo deve ocorrer por 12 meses. Uma pequena proporção de mulheres notará que a densidade do cabelo permanece menor do que antes da gravidez.


O que acontece nesta fase do pós parto é apenas um reajuste hormonal e a queda de cabelo é um fenômeno completamente normal, e não há tratamento ou cura para a queda de cabelo pós-parto. 
Deverá falar com o seu Médico de Família ou Ginecologista sobre o assunto e por precaução, muitos profissionais pedem exames de sangue para verificar se os níveis de ferro e tiróide estão normais.
Ao contrário do que muitas vezes se pensa, a amamentação não está diretamente relacionada com este tipo de queda de cabelo.

Muito raramente, a queda de cabelo pode se estender para 15 meses. Se a queda de cabelo não parar, deve procurar ajuda de um médico Dermatologista - Tricologista pode estar com outra causa para a queda de cabelo: Alopécia.

Não se auto-medique, se tem alguma preocupação, dúvida, insegurança, fale com o seu médico.

A queda de cabelo durante a gravidez NÃO é normal. Deve procurar orientação médica.

Se foi mãe recentemente, MUITOS PARABÉNS! 

sábado, 8 de setembro de 2018

Alopécia?!?

Afinal o que é a alopecia?

Alopecia é a redução parcial ou total de pelos ou cabelos em uma determinada área de pele. Apresenta várias causas, podendo ter uma evolução progressiva, resolução espontânea ou controlada com tratamento médico. Quando afeta todo os pelos do corpo, é chamada de alopecia universal.


As causas da doença são:

Androgenética é a causa mais frequente de alopécia entre homens, mas também afeta mulheres; começa a se manifestar entre a puberdade e vida adulta, tendo vários graus; como o próprio nome diz, é uma associação de fatores genéticos com a hormona sexual masculino, a testosterona.
Padrão alopécia androgenética (https://bit.ly/2CB9u1a)
Alopécia androgenética masculina (https://bit.ly/2oSXH4K)

Alopécia androgenética feminina (https://bit.ly/2CxRKDN)


Areata está relacionada especialmente a fatores autoimunes e seu agravamento é influenciado pelo emocional. A alopecia areata é caracterizada pela perda rápida, parcial ou total de pelos em uma ou mais áreas do couro cabeludo ou ainda em áreas como barba, sobrancelhas, púbis, etc. O renascimento dos pelos pode ocorrer espontaneamente em alguns meses, porém em alguns casos a doença progride, podendo atingir todo o couro cabeludo (alopecia total) ou todo o corpo (alopecia universal).
Alopécia areata (https://bit.ly/2NrCKfe)


Congénita está ligada a fatores hereditários, com ausência total ou parcial desde o nascimento.
Alopécia congénita (https://bit.ly/2Nts7Z5)


Traumática, também conhecida por alopécia de tração, tem origem em contusões ou lesões do couro cabeludo onde ocorre algum tipo de ação mecânica sobre o couro cabeludo. Isso acontece, por exemplo, em situações de pressão ou tração do cabelo, pós cirurgias, queimaduras, etc.
Alopécia traumática por tração (https://bit.ly/2CyuGox)


Tricotilomania ou Neurótica quando o indivíduo "arranca" os próprios cabelos conscientemente ou não.
Apolécia por tricolomania (https://bit.ly/2M7U2Jy)

Secundária ou Medicamentosa aparece após algum distúrbio interno dos órgãos (como por exemplo na tiróide), doenças, infecções, medicamentos (como por exemplo a quimioterapia, radioterapia, anticoagolantes ou envenenamento com mercúrio).

Alopécia medicamentosa (https://bit.ly/2QgvGk6)


Seborreica provocada pela dermatite seborreica do couro cabeludo é um distúrbio muito comum, onde pode ser observado escamação, coceira e eritema; contudo, é uma doença que raramente determina uma redução significativa dos cabelos.
Dermatite seborreica (https://bit.ly/2x2gNtR)


Dieta pobre em ferro são dietas que cortam o consumo de carne vermelha e vegetais fornecedores de ferro podem provocar carência de ferro no organismo, com isso o oxigénio não chegará em quantidade suficiente a bolbo fazendo com que os fios nasçam já enfraquecidos.
Alopécia por falta de ferro - anemia (https://bit.ly/2wVYHbZ)


Alérgica provocada por alergia ao glúten do trigo, à lactose ou À caseína do leite de vaca são os mais propensos à calvície; essa condição de alergia se manifesta em outros sintomas, porém pouco relacionada a isso.
Alopécia provocada por alergias alimentares (https://bit.ly/2MWSyXY)


Lúpus discóide
O lúpus eritematoso discóide é uma doença crónica e recorrente caracterizada por manchas arredondadas vermelhas de bordos bem definidos na pele. A sua causa é desconhecida e é mais frequente no sexo feminino e mais ainda em mulheres com cerca de 30 anos de idade. O leque de idades é muito mais amplo que o habitual para o lúpus eritematoso sistémico.
Alopécia provocada por Lúpus discóide (https://bit.ly/2xpls8a)



Tinea capitis
É uma infecção fúngica cutânea dos cabelos/pelos da cabeça causada pelos dermatófitos: Trichophyton, Microsporum ou Favus. É mais frequente em crianças, mais comum em meninos entre 3 e 7 anos, e rara em adultos.
Alopécia causada por Tinea capitis (https://bit.ly/2QzV0le)



Se nota que tem queda de cabelo, mesmo que seja ligeira, por tempo prolongado, não adie e procure um especialista: Dermatologista - Tricologista.
Poderá estar com alopecia e quanto mais rápido for diagnosticada a causa, maior será a probabilidade de controlar ou mesmo reverter a situação.

E vamos à luta contra a alopecia...